quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Eu queria que fosse você...




Ah! Como eu queria!

Como eu queria que fossem suas as mensagens de bom dia no meu celular.
Como eu queria que fosse o teu abraço me esperando chegar...
Como eu queria que todos esses planos e projetos fossem com a gente.
Aliás, em meio a tanta gente, ainda é você que eu busco por aí, em vão, tentando encontrar...
Sim, sim, eu trocaria toda essa gente na mesa do bar, por você comigo, em qualquer lugar.



Eu queria que fosse você, vindo me buscar.
Eu queria os seus beijos hoje.
Era no seu peito que eu queria me aconchegar...
A tua voz que ainda me faz arrepiar.
E o seu nome, que prefiro nem escutar...

Ainda é você que reina absoluto aqui dentro de mim.
Ainda são os teus olhos que me tiram o sono.
Ainda é o seu corpo que eu desejo com toda as forças.
É a tua ausência que me corrói a alma e me faz chorar em silêncio antes de dormir.
É nas tuas loucuras que eu gosto de me embrenhar e nunca mais sair...

Eu sei que não pode ser, mas isso não me impede de querer que fosse.

Eu queria que fosse você, para todo o sempre.
Eu queria que fosse você nessa viajem que tanto sonhamos...
Eu queria que você fosse o pai dos filhos que eu ainda nem tive...
Eu queria a tua bagunça tão deliciosa na minha casa.
E, meu Deus! Como eu queria que essa casa fosse NOSSA.

Eu queria as suas mãos me percorrendo e o teu corpo me aquecendo, como só você sabe
fazer...
Eu queria ficar mais uma daquelas madrugadas te ouvindo falar, sobre os problemas do mundo e, claro, as soluções. Eu queria NÓS; sem preposições.
Eu queria nós dois no banco de trás do seu carro, depois de muito beber...
Eu queria você no meu café sóbrio, na segunda de manhã.
Eu queria você cantando enquanto esperávamos o trânsito fluir.

Eu nunca quis te deixar ir.

E hoje, eu preciso me soltar de você.
Já foi o nosso tempo; nunca mais vai haver.
Estou aqui, fazendo um esforço danado para me convencer...
Você daria risada, da minha cara de NADA, como você costuma dizer!
Realmente, é assim que eu me sinto... um NADA tentando sobreviver.
Tentando me acostumar que estou fazendo isso tudo com uma outra pessoa
e que a vida tem de seguir.

Eu não quero mais querer, mas eu queria que fosse você...

Entrando por aquela porta, me pegando pelos braços e dizendo que eu ainda sou o grande
amor da sua vida.
Colocando pra tocar nossa música preferida....e fazendo tudo aquilo, que só você faz comigo,
nessa vida...

Eu queria que fosse você nas fotos do meu álbum de casamento.
A dançar comigo, como combinamos por tanto tempo...
Eu queria que fosse você brindando comigo o meu progresso, olha só, eu cheguei
onde tanto queria chegar.
E você acreditaria se eu disesse que não tem a menor graça?

A gente sorri, vai levando...não se pode parar.
Mas, voltar a ser inteira, eu tenho a noção de que tão cedo, não vou voltar.

Nem adianta tentar explicar nossa história e as peculiaridades tão nossas que fizeram de mim, plural.
Um plural insuperável.
E inesquecível.
NÓS, que eu nunca mais serei com ninguém.

Eu não queria que tivesse sido desse jeito...eu só queria que tivesse sido com você.

Bruna Stamato






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

Pesquisar este blog

Receba por e-mail