segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Saudade é o efeito colateral de viver





 Sim, eu sinto falta até do que eu não deveria, me confesso. Mas, o que posso fazer?
Chego á conclusão, nesta altura da vida, que eu gosto mesmo é de viver.
Pois eu sinto uma espécie de saudade, até do que eu ainda não conheci. Eu sinto saudade do meu filho que ainda nem nasceu, mas que já existe em mim, dentro do meu coração. Eu sinto saudade de ruas por onde eu nunca passei. De pessoas que eu gostaria de ter conhecido.
Se há algo errado nisso, devo me tratar, creio eu. Mas, existe tratamento pra saudade? Talvez algum inibidor de vontades? Ou um bloqueador total de emoções.
Eu não quero virar um robô, nem faço questão de sair por aí dizendo que não sinto o que não consigo deixar de sentir.
Mas quer saber uma coisa que eu aprendi?
É que o que você reclama hoje, pode vir a ser sua saudade amanhã. Não deixe isso acontecer. Desconheço dor pior pra um ser. Prefiro dor de dente, pelo menos dente se arranca, saudade não. Saudade consome a gente e nem raiva podemos ter.
Saudade é o efeito colateral de se viver.
Saudade é dor que dá e às vezes não passa.
Saudade é a consequência por se ter tido bons momentos.
Saudade é o certificado que o coração emite quando tudo valeu a pena.
Não tem dinheiro, status ou orgulho que valha a pena não se ter saudade. A saudade vale todo o preço. Tem gente que deixa de viver plenamente juntando os centavos, não dividindo o whisky, guardando o vinho para uma ocasião especial, mas estar vivo já é uma ocasião mais que especial pois não sabemos até quando essa dádiva nos será permitida. Então, ame hoje! Diga agora! Abra o seu melhor vinho. Você não estará simplesmente gastando dinheiro, você estará FABRICANDO BOAS LEMBRANÇAS!
E as boas lembranças são lenha para o coração nos dias frios.
Eu sinto saudade de quem eu era. E de quem eu queria ter sido... Eu sinto saudade de quem nem  saudade merece. Mas isso é porque eu ACREDITO! I´m a BELIEVER. Eu sou uma acreditadora incorrigível. Eu acredito que cada ser humano que cruza o nosso caminho aqui na Terra nos deixa algo de positivo, e eu espero, que eles também levem algo de positivo consigo. Mesmo naqueles casos de tristeza, ainda sim, podemos tirar alguma lição da dor que evitará nosso sofrimento futuro, então, ao meu ponto de vista, é positivo!
Eu sinto falta das crianças pequenas, e até do cansaço que eu sentia. Talvez porque eu tenha um tanto de medo guardado lá no fundo, pois sei que essa época nunca mais vai se repetir, eu nunca mais vou comemorar o primeiro aniversário da minha filha! Não, isso não anula a minha alegria em estar comemorando esse ano o décimo aniversário dela, mas a nostalgia é atávica em mim. Atribuo a culpa ao meu ascendente em Câncer, não tô nem aí! E assim vou levando...mesmo reclamando, tenho certeza que amanhã sentirei saudade de um detalhezinho de hoje...é...porque ela, a minha Senhora Saudade é detalhista; Um tanto dualista e teimosa.
Já aprendi a conviver com ela. Tem dias que ela vem só pra um café, como visita de médico, e tem dias que chega de mala, cuia, e lencinhos. Tem dias que eu a deixo ficar e damos boas risadas e tem certos dias que a mando embora, com todas as forças,  sem nem abrir a porta. Mas ela tem a chave do meu coração, e acesso total ao meu acervo protegido. Houve uma época em que eu quis me livrar de tudo, rasguei cartas escritas á mão, fotos que valiam ouro, querendo rasgar à mim mesma. Tentando impedir que ela viesse. Mas então compreendi que era como um imposto qualquer, um IPVA por se estar envelhecendo...Então, pago com gosto, pois hoje creio que só não sente saudade quem já morreu!
Vamos lá fabricar mais boas lembranças, torrar a grana que nem tenho, fazer dívida pra amanhã, porque o AMANHÃ é o sonho mais louco que ousamos sonhar, pois acreditamos piamente ser verdade...
Ah! Eu e a minha tola saudade...

Bruna Stamato

Nenhum comentário:

Postar um comentário