terça-feira, 1 de setembro de 2015

A rotina da tua saudade...e a saudade da tua rotina...

Como é esquisita a ideia de virar passado na sua vida, uma mera história para ser lembrada de vez em quando. Como é estranho não saber como estão sendo seus dias, se aquele teu projeto deu certo e se você está gostando do emprego novo.Como é dolorida a certeza de que nunca mais terei você na mesa no café da manhã. Que nunca mais poderei dormir embalada pelo sobe e desce do teu peito...juro que eu ando procurando um jeito de aceitar isso tudo. Mas é mesmo absurdo não te esperar pro jantar. Ficar observando a porta sabendo que ela não vai abrir, que você realmente não vai voltar. Ter que ouvir a sua voz nos vídeos de família que ainda insisto em guardar e ficar voltando incontáveis vezes a cena da sua gargalhada... Tentar imaginar como estaria seu rosto com o passar do tempo e o que você faria se nos encontrássemos na rua. É ridículo ter que admitir pra mim mesma que eu ainda me sinto sua. Impossível imaginar outra pessoa tocando meu corpo e me fazendo rir como você fazia! Me perdoe mas me parece surreal ter que seguir sozinha! Ver suas fotos abraçado com seu novo amor...será que você faz com ela as mesmas brincadeiras bobas que a gente inventou? Será que você continua planejando com essa pessoa tudo que a gente planejou enquanto dormia na rede depois de uma tarde inteira de amor? Tô cansando de manter a compostura, de fingir que tal realidade não é dura e que tudo isso não me causa dor. Fingir que não me importa, que eu já parti pra outra, que eu sou superior...é tudo mentira, quanto mais eu ignoro e tento fugir, mais o meu coração se desola sem ter pra onde ir...É uma tortura. A sua vida era a minha casa, nos seus braços é o meu lugar, hoje eu sou só um sabiá calado, sem a menor vontade de cantar. Sem vontade de escrever, sem vontade de beber, sem vontade de me consolar. Eu preciso sofrer, eu preciso me reerguer, eu preciso chorar, incorporar a sua ausência em mim, aprender a viver com o meu barulho interior e sem ruído algum em casa...ainda está tudo do jeito que você deixou. E o que já foi cenário da alegria, com gente apaixonada um dia, agora é só uma casa vazia, ainda com uma leve brisa de amor... Eu preciso me interiorizar, aprender a cozinhar, receber amigos pro jantar e tantas outras coisas que a liberdade nos permite. Eu quero aprender a meditar, sair por aí sem hora pra voltar e esquecer o seu número de telefone...eu quero me manter normal ao escutar o seu nome, tirar suas coisas do meu armário, parar de ser o meu pior adversário e organizar outra vez a minha rotina. Mas essa é a rotina da tua saudade e a saudade da tua rotina,de te ter ao meu lado, desde que você se foi eu quase não entro mais no nosso quarto, o sofá me parece menos hostil e abriga bem os meus anseios, a geladeira está vazia e o seu chocolate preferido ainda está guardado. Eu já perdi todos os meus receios pois o nosso fim nunca justificou os nossos meios. Deveríamos ter nos amado mais, nos importado menos; Ter sorrido mais e nos ouvido de menos; Deveríamos ter nos enxergado mais e nos observado de menos. E agora eu tento não te amar mais e acabo por amar à mim mesma de menos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário