quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Tem dias que a noite é foda

Tem dias que a gente só precisa de uma roupa limpa de algodão depois de um banho morno de meia hora, daqueles que levam todos os pensamentos embora. Nesses dias o silêncio é a melhor companhia, mesmo que estejamos gritando por dentro. Gritando por socorro, por liberdade ou por calma.
Em dias como estes, trate de acalmar-se; Com uma taça de vinho ou copo de leite quente, mesmo com o coração latente...trate de acalmar-se. A preocupação nunca venceu o destino e se o caso é de luta constante entre razão e paixão, melhor largar de mão e entregar ao divino! Tem dias que a gente só quer deitar na nossa cama, e que ela não tenha nenhum outro cheiro além do nosso habitual, que nela não haja lembrança ou vestígio de nenhum amor carnal, que a cama seja só a nossa cama e abrigue o corpo cansado mesmo quando a alma já parecer ter nos deixado, mesmo quando o mundo todo tiver desabado, que a cama seja só a cama, não um instrumento de tortura que provoque saudade, não uma tela de cinema retrô, com um tórrido filme de amor, que já ficou para posteridade...
Que ela te faça descansar e não te revirar por inteiro, com Porque´s infinitos certeiros, enquanto tu chora calado... Desejo que tua cama nunca vire tua inimiga e abrigue em si uma ausência...que nela você consiga se recompor, sem crises de abstinência.

Tem dias que só precisamos de uma ligação ou mensagem de um ser querido e tem certos e raros dias que o que precisamos é não falar com ninguém e esquecer o mundo lá fora... Em alguns dias desses, a gente não sabe se tem vontade de ficar ou de ir embora.
Se tem saudade do novo ou do antigo.

O desconforto não é no físico, é na alma.

Tem dias que a gente necessita ritmar a respiração, ler uma artigo com calma e fazer uma bela refeição. Comida caseira, aquela que o cheiro percorre a casa inteira.
Tem dias que eu queria dormir sabendo que você está no sofá da sala. Mesmo sem trocar uma palavra, eu só queria ter certeza que você ainda estava aqui. Eu habitei por tanto tempo o seu silêncio que agora não sei como viver no meu barulho. Eu implorei tanto pela tua presença, que nem reparei o quanto me ausentei de mim.
Tem dias que a gente precisa se permitir, se esquecer e deixar rolar; seja um blues alto ou lágrimas.
Porque tem dias que a noite é foda. E não há foda, que faça melhorar...
Tem dias que você prefere trocar o rum pela soda...e que se foda o mundo lá fora.
 Tem dias que a gente precisa evocar nossos demônios pessoais para exorcizar.
Tem dias que parece que nada vai dar certo e a gente só quer ficar num canto, quieto, esperando passar.
Tem dias que a gente não quer festa, não quer briga, não quer confusão, e tem horas que desligar o celular e a cabeça, parece mesmo a melhor opção.
Tem dias que não importa se estamos certos ou errados...se vai chover a tarde, porque às vezes a gente não sabe como vai chegar ao final do dia mas não queremos fazer alarde...
Nesses dias, se perdoe, se abrace, fique encolhido no tapete, porque nesses dias não importa ser covarde, apenas um sobrevivente...de si mesmo.

B.Stamato

Nenhum comentário:

Postar um comentário