sábado, 27 de junho de 2015

As estações da alma


Nem sempre é Sol aqui dentro. Mas já não me culpo pelos meus dias de chuva. Hoje eu me permito chover pois sei que a chuva leva embora tudo de ruim e ajuda a alma a florescer. Nem sempre há flores aqui dentro.
Mas já não me culpo pelo outono de minh´alma pois hoje eu sei que flores também morrem para que outras possam nascer... Esse é o ciclo da vida. 
Assim como as árvores que trocam a folhagem, nosso interior também precisa renovar os sonhos vez ou outra, não tema as estações da vida. 
Nem sempre é quente aqui dentro. Certas vezes é um lugar bem frio e deserto, mas já não culpo meus invernos pessoais, pois sei que de uma certa forma, eles me promovem paz, permitindo que eu renasça muito em breve. 

Nem sempre é calmo aqui dentro. Às vezes meu mar se revolta e meus pensamentos se agitam, mas já não temo mais as ondas grandes, pois sei que maré parada não leva ninguém a lugar nenhum. 
Hoje mergulho de cabeça no meu turbilhão de emoções e sem tentar pescar nenhuma, apenas sigo a correnteza pois sei que todo oceano uma hora encontra calmaria.  
Nem sempre há estrelas aqui dentro. Vira e mexe me pego sozinha em longas noites escuras, mas não as temo mais, pois hoje eu sei que as estrelas continuam a brilhar de qualquer forma, mesmo que não possamos vê-las. 

Nem sempre é cinza aqui dentro. Às vezes estou na primavera dos sentimentos. Tudo é colorido, bonito de se ver e os dias mais fáceis de viver. Mas... nem sempre é primavera aqui dentro... Por mais que eu tente, nada de bom parece crescer. 
Mas aí... aí logo o verão vem, outra vez e é hora de recomeçar.
O Sol não brilha 24 horasm é verdade e eu ainda não achei o caminho certo para a felicidade, mas digamos que eu aprendi que os dias nublados não são tão ruins quando se traz o Sol dentro de si.

E que sempre se faça luz aqui dentro.



Nenhum comentário:

Postar um comentário